NUCLEOS – Instituto de Seguridade Social

NUCLEOS – Instituto de Seguridade Social

MENU

Home > Noticias

Poggian completa 5 anos no Nucleos

Diretor de Benefícios do Nucleos, Paulo Sérgio Poggian acaba de completar cinco anos na Diretoria Executiva do Instituto. É válido lembrar, ainda, que a relação de Poggian com a entidade começou muito antes de seu cargo como diretor. Formado em Direito, ele é reconhecido por sua participação ativa em diversos órgãos importantes da entidade: foi membro do Conselho Deliberativo no período de 2007 a 2011, do Comitê Consultivo de Investimentos, entre os anos de 2007 a 2010, e agora (de 2013 a 2018) está à frente da Diretoria de Benefícios. Ao assumir esse cargo, uma de suas maiores preocupações é — e sempre foi — manter a boa relação do Nucleos com seus participantes.

Na entrevista a seguir, você pode conferir o que Poggian destaca sobre seu trabalho nestes últimos cinco anos e também o que ele ainda pretende realizar sob sua gestão.

Como era o Nucleos há cinco anos e como é agora? O que mudou de lá para cá em termos de governança, gestão, patrimônio, investimentos?

Poggian: O Nucleos é uma entidade que vem se transformando e renovando há pelo menos uma década. A minha trajetória no Instituto teve início em 2007, ano em que fui eleito para o Conselho Deliberativo — e onde pude aprender muito e participar de grandes mudanças. Uma forma objetiva de avaliar e responder a pergunta é observar os resultados obtidos nos últimos anos. Analisando de maneira simples os últimos cinco anos, o Nucleos saiu de um déficit de R$ 273,4 milhões, em dezembro de 2013, para um superávit de R$ 263 milhões, em dezembro de 2017. Ou seja, mesmo num cenário de incertezas e grande instabilidade, seja sob o ponto de vista econômico, seja político, o Instituto vem adotando um modelo de gestão que está se mostrando de alta qualidade técnica e bastante eficaz.

Como avalia a sua relação com a equipe interna e com os membros da Diretoria Executiva, dos conselhos e do comitê?

Poggian: A equipe de colaboradores do Nucleos, em todas as esferas, é muito boa de se lidar. Tratam-se de profissionais extremamente competentes, bem qualificados e que gostam de trabalhar no Instituto — por isso, nosso relacionamento é bem harmonioso. Quanto ao relacionamento com os demais diretores, não poderia ser melhor: embora existam diferenças entre as áreas, não há vaidades e estamos sempre ajudando um ao outro. Com relação aos conselhos e comitê, há também uma ótima relação de trabalho, através da qual procuramos fornecer todas as informações necessárias para ajudá-los na tomada de decisões.

Qual foi a sua maior realização no Instituto?

Poggian: Acredito que a interação com os participantes está sendo uma grande marca da minha gestão. A ida constante do Nucleos em todas as patrocinadoras tem se mostrado uma boa ferramenta de aproximação com os nossos participantes. Nessas visitas recorrentes, temos a oportunidade de esclarecer de modo claro e objetivo todo e qualquer questionamento dos participantes.

Quais são as suas principais metas de curto, médio e longo prazos?

Poggian: Como dito anteriormente, a meta de maior aproximação com os participantes foi alcançada plenamente. Entretanto, algumas metas ainda perseguimos, como: a implementação de um novo plano de benefícios a ser oferecido aos empregados que não são participantes do atual plano; a criação de uma nova modalidade de empréstimos, no caso um pré-fixado; e a criação de um aplicativo digital para facilitar a comunicação com o participante.

No seu balanço pessoal, acredita que atendeu e ainda atende às expectativas dos participantes?

Poggian: É muito difícil fazer uma autoavaliação do seu próprio desempenho, mas eu acredito que sim, que estamos atendendo satisfatoriamente nossos participantes. Temos algumas ferramentas para medir isso, como a última Pesquisa de Satisfação, que apontou um alto índice de satisfação dos participantes. Embora as pesquisas tenham mostrado numericamente uma boa aceitação da gestão do Nucleos, o meu sentimento de que estamos no caminho certo vem principalmente no “corpo a corpo” que temos com os participantes ativos e assistidos.

Qual a mensagem que você deseja passar para os participantes do Nucleos?

Poggian: Gostaria de reafirmar o compromisso de estar sempre buscando o melhor para eles. Nem sempre acertamos, mas, com certeza, todos os dias, quando sento nesta cadeira de diretor, me pergunto: “O que preciso fazer para facilitar a vida das pessoas que estou representando?”.

Compartilhe: